Ciclo da violência

A violência manifesta-se sob a forma de ciclo. Na maioria dos casos, com o tempo, os episódios de violência são cada vez mais frequentes e as agressões cada vez mais graves. Se nada for feito, esta escalada pode infligir danos para toda a vida, lesões irreversíveis ou até levar ao homicídio da vítima. 

Tensão crescente

Há uma quebra na comunicação, o/a parceiro/a violento/a tem dificuldade em expressar os seus sentimentos e as suas divergências, acumula o descontentamento ou quer controlar tudo e recusa a negociação; a vítima identifica os sinais de violência e sente medo. 

Episódio violento

O/a parceiro/a violento/a descarrega a tensão através da violência que se torna intensa. A vítima sente-se encurralada, assustada e impotente, tem tendência a conformar-se às exigências do/a parceiro/a.

Reconciliação

O/a parceiro/ violento/a pede desculpa, promete não recomeçar, faz tudo para ser perdoado. A vítima retoma a esperança e aceita o pedido de desculpas.

Minimiza os seus atos, justifica-se, invoca causas externas (stress,…) ou acusa a vítima. A vítima duvida de si própria ou culpabiliza-se, pensando que ele/ela é que tem de mudar.

Calma

A crise cai no esquecimento, os comportamentos violentos ficam em pausa; é a fase da « lua de mel », mas que não vai durar. Se nada for feito a espiral da violência recomeça.